Institucional

Defesa Sanitária Animal

Defesa Sanitaria Vegetal

Inspeção Sanitária Estadual

Classificação Vegetal

Anatomia, Identificação e Cubagem de Madeira

Processo Seletivo Edital 003/09

>>Guias de Recolhimento<<

Trânsito

Atividades Laboratoriais

Tabela de Preços

Orgãos de Defesa
Legislação
Calendário de Eventos Agropecuários

Estatística e Resultados

Notícias
Sistemas on-line
Algodão

      O algodão é uma planta da família das malváceas, gênero Gossypium, que produz a pluma, utilizada pelas indústrias e representa 75% das fibras naturais. A Índia foi o primeiro país do mundo a cultivar o algodão para fabricação de tecidos (1.500 anos a.C.), sendo introduzido na China, mil anos depois. No século IV a.C. foi levado para a Europa. Na América pré-colombiana, o algodão já era usado pelos índios, principalmente na fabricação de redes. No Brasil, quando da chegada dos portugueses, já se cultivava o algodão. No século XVIII, esta cultura tomou grande impulso no Pará, Maranhão, Ceará, Pernambuco e Bahia.

      A cultura do algodão está inserida dentre as dez mais importantes culturas agrícolas do Brasil. Esta planta, no entanto, por possuir glândulas, denominadas nectários, produz uma secreção líquido-resinosa açucarada, tornando-a uma das plantas mais atrativas aos insetos, dos quais destaca-se o bicudo-do-algodoeiro – Anthonomus grandis.

      Esta praga é nativa do México e segundo dados da EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, foi descrito o primeiro relato oficial de sua ocorrência no Brasil, no ano de 1983, na região de Campinas/SP e à época, já se acreditava que esta se constituía na mais séria praga da agricultura, devido aos danos provocados e dificuldade de controle, estando amplamente distribuída em regiões tropicais e temperadas quentes.

       A proposição de adotar medidas visando estabelecer um controle efetivo do bicudo-do-algodoeiro (Anthonomus grandis),  está consubstanciada nas características de ocorrência da praga no Estado de Mato Grosso, sua distribuição geográfica e dificuldade de controle.

      Sendo uma praga oficialmente controlada, sua regulamentação é postulada conforme a Lei Estadual N.º 8589/2006 (Lei da Defesa Sanitária Vegetal do Estado de Mato Grosso). Esta lei foi regulamentada pelo Decreto Estadual N.º 1.524/2008, sendo que, no ano de 2009, exurge a Instrução Normativa Conjunta SEDER/INDEA-MT N.º 05/2009, que atualiza, harmoniza e formaliza as ações do INDEA-MT, em consonância com o novo arcabouço legal.


INDEA/MT - Instituto de Defesa Agropecuária  do Estado de Mato Grosso
Rua 02, S/Nº - Ed. Ceres - 2° Andar - Centro Político Administrativo - CPA - Cuiabá - MT
CEP : 78.050-970 - F
one: (65) 3613-6003 -
 
Disque Febre Aftosa: 0800-65-3015
Como estamos trabalhando: 0800-647-9990