SOCIAL

 
 
 
 
 
 
Disponibilizamos nesta seção a legislação pertinente as atividades do Indea:



Últimas adicionadas

  • Manual GTA Suideos 10.0
  • Dispõe sobre o armazenamento de produtos agrotóxicos e afins no Estado de Mato Grosso.
Sexta, 14 de novembro de 2014, 13h03 | Tamanho do texto: A- A+

Saúde Animal


INDEA-MT
LASA - Laboratório de Apoio a Saúde Animal
Av. Jurumirim s/n - Planalto - Complexo do INDEA - Cuiabá
e-mail: lasa@indea.mt.gov.br
Tel. (65) 653 1711 / 653 5600 - CEP 78058-400

Horário de funcionamento: das 8h00mim às 12h00min e das 13h30min às 5h30min.
Não enviar material em véspera de feriado e final de semana.

>> Faça o download dos formulários para requisição de exames.

Nosso Laboratório tem a função de dar suporte aos médicos veterinários do serviço oficial e da iniciativa privada, realizando exames laboratorias com qualidade, promovendo o desenvolvimento da pecuária nacional e dedicando-se ao estudo dos fatores que afetam a produtividade na agropecuária.

A COLHEITA DE MATERIAL PARA EXAME LABORATORIAL É UMA ATIVIDADE RESTRITA DO MÉDICO VETERINÁRIO

OS MATERIAIS PARA EXAMES LABORATORIAIS SOMENTE SERÃO TRABALHADOS SE FOREM ACOMPANHADOS DE:
FORMULÁRIOS PADRÃO DO EXAME REQUISITADO, DEVIDAMENTE PREENCHIDO.
NÃO SERÃO ACEITOS, FORMULÁRIOS COM CAMPOS EM BRANCO.
AMOSTRAS DEVIDAMENTE COLHIDAS E ACONDICIONADAS.
Orientações sobre colheita de material para o diagnóstico laboratorial: a confiabilidade dos testes laboratoriais realizados e a interpretação dos resultados dependem, primariamente, da qualidade da amostra recebida. Para cada exame há uma forma correta de colheita, conservação e envio de material para exame.
Algumas variáveis que podem interferir nos exames:
Colheita inadequada;
Tempo entre a colheita e realização do exame;
Relativo ao paciente: idade, raça, sexo e gestação;
'Stress' (animal bravio);
Volume inadequado do material coletado;
Conservantes (físicos e químicos) inadequados;
Contaminação da amostra;
Tempo em jejum;
Temperatura ideal de armazenamento da amostra;
Acondicionamento:
Sacos plásticos e/ou frascos estéreis e bem vedados;
Separar cada tecido por recipiente e identificá-los claramente;
Separar o coágulo do soro;
Saco com fezes envasados duplamente;
Tampa dos tubos e frascos com soro, vedados com esparadrapo
Tubo/frasco penicilina estéril com soro embalados em sacos plásticos novos (PVC).
NUNCA UTILIZAR: FRASCOS DE VACINAS, MEDICAMENTOS E SERINGAS PARA ENCAMINHAR O SORO
NUNCA UTILIZAR: SACOLAS DE SUPERMERCADOS, DE QUEIJO E OUTRAS, PARA ENCAMINHAR MATERIAL, COMO AMOSTRAS DE TECIDOS ENTRE OUTROS.

TOMAR MUITO CUIDADO COM O CONTEÚDO ESTOMACAL, RUMINAL E INTESTINAL PARA NÃO CONTAMINAR AS OUTRAS AMOSTRAS.

Conservação das amostras:
Refrigeração 2ºC a 8ºC (gêlo seco): tecidos de orgãos, soros e conteúdos cavitários.
Congelada: soros.
Para histopatológico, em material em formol ou lâmina: temperatura ambiente.
UM ACONDICIONAMENTO MAL FEITO PODE RESULTAR EM DETERIORAÇÃO DO MATERIAL BIOLÓGICO (IMPEDINDO A REALIZAÇÃO DO EXAME), RESULTADOS ALTERADOS, QUEBRA OU VAZAMENTO DO MATERIAL, RÓTULOS MOLHADOS E ILEGÍVEIS, REQUISIÇÕES ILEGÍVEIS E MOLHADAS (QUANDO ENCAMINHADAS JUNTO AO MATERIAL).

REMESSA DE MATERIAL:

As amostras devem ser transportadoas em caixas isotérmicas, refrigeradas, com bastante gêlo reciclável, para garantir a viabilidade das amostras.
Os sacos plásticos e frascos serão minuciosamente organizados na caixa isotérmica, evitando assim o esmagamento dos tecidos friáveis.
É obrigatório que o material seja acompanhado da requisição específica para cada exame solicitado, e o seu campos totalmente preenchidos.
A caixa com os materiais devem chegar ao laboratório no máximo até 48 horas da colheita.
Sempre avisar ao LASA do envio de material: informar a transportadora, o número do conhecimento aéreo ou terrestre e o horário da chegada no local de destino.
Identificar o remetente e o destinatário na caixa de isopor.
Material fixado em formol ( 10% ) e lâminas de esfregaço sanguíneo devem ser remetidos em caixa de papelão ou isopor sem gêlo.

EXAMES LABORATORIAIS REALIZADOS PELO LASA
EXAMES >> valores em UPF/MT

Anemia Infecciosa eqüina, por Animal -- 0,41 UPF/MT
Raiva dos Herbívoros e Carnívoros -- 0,59 UPF/MT
RAIVA dos herbivoros e carnivoros ( ccz e sec de saude ) -- GRATUITO
Raiva com diagnóstico diferencial (BSE/Bacteriológico/Isolamento Viral) -- 1,45 UPF/MT
Brucelose, ( Prova Lenta) por Animal, até 500 cabeças -- 0,41 UPF/MT
Brucelose, ( Prova Lenta ) por Animal, acima de 500 cabeças -- 0,06 UPF/MT
Brucelose, ( Prova Rápida ) por Animal, até 500 cabeças -- 0,41 UPF/MT
Brucelose, ( Prova Rápida ) por Animal, acima de 500 cabeças -- 0,06 UPF/MT
Brucelose (Prova do Mercaptoetanol) por animal -- 0,41 UPF/MT
Brucelose (Acid. Tamponada ) Por Animal -- 0,16 UPF/MT
Febre Aftosa (isolamento viral-foco) (Qdo suspeita de foco) -- GRATUITO
Bacteriológico (Isolamento) -- 1,45 UPF/MT
Bacteriológico (Pesquisa de Toxina Botulinica) -- 0,59 UPF/MT
Parasitológico (OPG/LPG/BAERMAM) Por Amostra -- 0,59 UPF/MT
Parasitológico (Fezes pequenos animais) por amostra -- 0,59 UPF/MT
Parasitológico (Hematozoários) por animal -- 0,59 UPF/MT
Camundongo ( Por Unidade ) -- 0,50 UPF/MT
Leptospirose por microaglutinação, por amostra -- 0,34 UPF/MT
Exame Sorológico para Febre Aftosa( Técnica IDGA) p/Amostra -- 0,20 UPF/MT
Exame Sorológico de Febre Aftosa ( Técnica de EITB ) por amostra -- 1,78 UPF/MT
Exame em Peixes (Necropsia/Parasitológico/Bacteriológico) -- 1,45 UPF/MT
Exame de Tuberculose (Tuberculinização intradérmica) por Animal -- 0,18 UPF/MT

Mais sobre este assunto:

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins: