Pular para o conteúdo
Voltar

Campanha de vacinação contra a febre aftosa é prorrogada em MT

A primeira etapa de vacinação foi estendida para 15 de junho. Já o prazo para a comunicação junto ao Indea termina no dia 20 de junho.
Dayanne Santana | Indea-MT

Francisco Alves/GCom-MT
A | A

O Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT) prorrogou a etapa de vacinação contra a febre aftosa. A primeira etapa de 2018 terminaria oficialmente nesta quinta-feira (31.05), porém foi prorrogada para até o dia 15 de junho. O produtor deve vacinar todo o rebanho bovino e bubalino, de mamando a caducando, com exceção das propriedades localizadas no baixo Pantanal. Já o prazo para a comunicação foi estendido para até o dia 20 de junho.

A medida consta na Portaria nº 054/2018, a ser publicada no Diário Oficial do Estado. De acordo com a presidente do Indea, Daniella Bueno, a prorrogação da campanha foi necessária em razão do comprometimento da logística das revendas. “Em razão da paralisação dos caminhoneiros, a distribuição e venda de vacinas foram afetadas o que comprometeu a execução normal da etapa de vacinação não só em Mato Grosso, como em outros estados, sendo necessária a prorrogação”.

Nesta primeira etapa de 2018, cerca de 29 milhões de animais devem ser vacinados. Até a última segunda-feira (28.05), 48,5% das propriedades tinham comunicado a vacinação nos escritórios do Indea, o que representa apenas 47,5% do rebanho a ser vacinado nesta etapa.

Após a imunização do rebanho, o produtor deve fazer a declaração da vacinação com a contagem dos animais por idade e sexo, juntamente da Nota Fiscal da compra das vacinas e apresentar no Indea do seu município, até o dia 20 de junho. Além da relação de bovinos e bubalinos é necessário apresentar ao Indea a quantidade de outros animais existentes na propriedade como aves, carneiros, cabritos, cavalos, burros, jumentos, porcos, peixes, cães e gatos.

A multa para quem deixar de vacinar o rebanho dentro do período da campanha é de 1 UPF (Unidade Padrão de Fiscal) por cabeça de gado não vacinado. O produtor que atrasar a comunicação fica impossibilitado de emitir a Guia de Trânsito Animal (GTA) por um período mínimo de 30 dias.





Editorias