Pular para o conteúdo
Voltar

Fiscais e agentes do Indea são capacitados para combater praga que atinge lavouras em MT

Ministério fez parceria com Instituto para erradicar erva daninha que é resistente aos principais herbicidas
Débora Siqueira | Assessoria/Indea

Treinamento aos fiscais do Indea - Foto por: Assessoria/Indea
Treinamento aos fiscais do Indea
A | A

Fiscais e agentes do Indea participam de treinamento de três dias sobre Sanidade Vegetal focada na erradicação do Amaranthus palmeri, uma erva daninha de difícil controle. A praga quarentenária está presente em Mato Grosso e é resistente aos principais herbicidas como glifosato e inibidores de ALS. A capacitação foi realizada de 1 a 3 de dezembro, no auditório Licínio Monteiro, na Assembleia Legislativa.

 

O treinamento é fruto de parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que está alerta com o risco da praga se tornar endêmica no país. Quando há foco da erva daninha na propriedade, a destruição tem que ser mecânica ou com uso de outros herbicidas.

 

O início do foco em Mato Grosso em 2015 ocorreu com a importação de maquinários dos Estados Unidos que tinham a erva daninha. Onde as colheitadeiras passaram, os talhões foram contaminados. Um dos primeiros registros foi no município de Ipiranga do Norte.  

 

Contudo, a coordenadora de Defesa de Sanidade Vegetal, Silvana da Silva Amaral, disse que aproveitaram que os 103 fiscais e técnicos estavam em Cuiabá, foram abordados outros assuntos que também merecem a atualização dos profissionais.

 

No evento também foram tratados temas como as alterações da Legislação Federal e seus impactos nas ações da defesa sanitária vegetal do Estado na fiscalização de sementes e mudas, gestão de agrotóxicos, prevenção e controle de pragas de importância econômica, esclarecimentos jurídicos quanto aos processos administrativos com auto de infração, além de treinamentos sobre para identificar doenças como Moko, Mal do Panamá e Monilíase do cacaueiro.

 

O evento teve como palestrantes pesquisadores da Embrapa, Universidade de Brasília, Ministério da Agricultura, Instituto Mato-grossense do Algodão (IMA) e do próprio Indea.

 

Para o fiscal da Regional de Lucas do Rio Verde, Waldemir Batista da Silva, o treinamento é importante para a padronização das ações dos servidores que estão em campo. “Teve foco em todas as áreas que nós atendemos: sementes, agrotóxicos, pragas quarentenárias, dentre outros tópicos. Serviu também para uniformizar as ações, então os fiscais vão atuar da mesma forma em todas as unidades do estado, com mais qualidade nas atividades”.

 

Lotado em Jangada, o agente fiscal Cássio Mesacasa comentou que o treinamento é fundamental para nivelar ações dentro da defesa agropecuária. “A gente acaba adquirindo mais conhecimento e acaba incentivando e melhorar nossas ações diárias e prestando melhor trabalho a sociedade”.