Pular para o conteúdo
Voltar

O dia 28 de setembro é o dia mundial do combate à raiva

Essa data marca também o aniversário da morte de Louis Pasteur, o químico e microbiologista francês que desenvolveu a primeira vacina contra a raiva e é lembrado anualmente para aumentar a conscientização sobre a prevenção e destacar o progresso no controle desta terrível doença
Max Campos | Indea-MT

- Foto por: Foto por: Divulgação Indea
A | A

O Programa de Controle da Raiva dos Herbívoros do Indea/MT tem como objetivo manter sob controle a incidência da Raiva na população de herbívoros (bovinos, bubalinos, equídeos, caprinos, ovinos) e suínos. A estratégia é fundamentada principalmente na vacinação desses animais contra raiva, no controle de morcegos hematófagos da espécie Desmodus rotundus, principal transmissor da Raiva, e educação sanitária.

Saiba mais sobre a doença e veja também os anexos:

O que é raiva?

 A raiva é uma doença que afeta o sistema nervoso central, não tem cura, causada por um vírus, que pode acometer todos os mamíferos, inclusive os seres humanos. Considerada uma das zoonoses de maior importância em saúde pública, não só por sua evolução drástica e letal, como também por seu elevado custo social e econômico.

 Como a Raiva é transmitida?

O principal transmissor da raiva dos herbívoros é o morcego hematófago Desmodus rotundus. O morcego DOENTE elimina o vírus pela saliva quando se alimenta de sangue dos animais, ou dos seres humanos.

 

 

Como os animais contrai a raiva?

A raiva é transmitida aos animais pela inoculação do vírus rábico, contido na saliva do vampiro. Qualquer animal contaminado pela raiva seja ele cachorro, gato, cavalo, bovino, suíno, bem como os próprios morcegos, será capaz de transmiti-la ao homem.

Quais são os sinais clínicos nos animais?

Isolamento do rebanho, andar cambaleante, dificuldade de urinar e defecar, dificuldade de engolir (sensação de engasgo), paralisia dos membros traseiros, bate contra objetos, dificuldade para levantar, deita em decúbito lateral, movimentos de pedalagem e morte. A morte ocorre entre 3 a 7 dias após o aparecimento dos sinais clínicos.

Atenção produtor rural.

Quando o animal apresentar esses sinais clínicos, recomenda-se não ter contato direto com ele. Se o animal apresentar sensação de engasgo, nunca introduza a mão na boca de animais suspeitos de raiva, pois pode se infectar com o vírus da raiva. Não tente capturar morcegos. O Indea possui equipes de captura treinadas e imunizadas para este tipo de trabalho.

Como é feito o controle?

O Indea realiza o controle do vampiro Desmodus rotundus transmissor da raiva. Esta atividade é realizada exclusivamente pelo Serviço Veterinário Oficial (Indea/MT).

 

 Conheça alguns esconderijos dos morcegos:

- Ocos de árvores;

- Cavernas;

-Fendas de rochas;

- Furnas;

- Túneis;

- Casas abandonadas;

- Poços d’água;

- Telhados e porões;

- Pontes.

* Os morcegos são protegidos por lei, apenas pessoas autorizadas podem capturar ou manusear estes animais.

Existe tratamento?

Não há tratamento.

Como você pode ajudar no controle da raiva?

- Vacinar seu rebanho contra a raiva e comunicar ao Indea/MT imediatamente. Os animais vacinados pela primeira vez devem ser revacinados 30 dias após a primeira dose, depois vacinar anualmente.

- Notificar a existência de animais com mordedura por morcegos ao INDEA, para que a equipe técnica realize a captura e o controle do vampiro.

- Notificar presença de abrigos de morcegos em sua propriedade ao Indea/MT.

- Notificar presença de animais com sinais de doença nervosa ao Indea/MT.

No estado de Mato Grosso foram registrados de janeiro de 2019 até o momento (26/09/2019) 43 Focos de Raiva dos Herbívoros.

 

Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros

E-mail: pecrh_ccda@indea.mt.gov.br

Fone: (65) 3613-6049

Para mais informações procure a unidade do Indea mais próxima ou ligue para 0800-65-3015.


Download



Editorias